sexta-feira, 28 de julho de 2017

Sobre lembranças e aprendizados

Para entrar na intimidade
tem que ter as mãos limpas
por ser tudo muito sincero
é tudo muito sensível
e sujeira causa alergia.
Mesmo que debaixo do tapete

a gente sempre sente o cheiro.
Dispenso.

segunda-feira, 17 de julho de 2017





No final de semana esbarramos com um grupo de mulheres, estavam todas com cartazes e bexigas coloridas nas mãos. Nos aproximamos e perguntamos do que se tratava e uma delas explicou breve e claramente. O intuito era cada  pessoa escrever alguma frase de sua preferência no cartão, pendurar na bexiga e depois soltar ao vento, pra que ele se encarregasse de levar até sabe-se lá onde. Achei uma coisa tão engraçada e bacana, fiquei imaginando por acaso caída no chão a minha estranha caligrafia. O que significou pra mim e me tocou naquele instante, agora tocaria as mãos e os sentidos de um outro que nem sequer desconfio a identidade mas sei da existência. Essa ligação com os demais é sempre um mistério bom, porque traz consigo uma espécie de otimismo que vai se instalando, passando as mãos na superfície dos nossos escuros, removendo a poeira e deixando limpa a ideia de que não estamos completamente isolados. No final de semana redescobrimos que o fio da existência nos liga, mesmo que tão frágil, mesmo que a gente esqueça e faça de conta que não.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

These feelings won't go away

Você já chorou por ter compreendido?

É um tipo de tristeza estranha porque, na verdade, é felicidade em forma de alívio.

domingo, 10 de julho de 2016

convide alguém a viver






Meu coração é uma pensão
simples mas confortável,
você pode morar nela
e atrasar o aluguel.


Eu não sou de cobrar nada, posso jurar se quiser.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Se Trouve




Se a gente pega 
tudo que é bicho que morde,
que acende, que estufa o peito 
batendo rápido o coração,
que arranha a mente 
e deixa aquela agonia
tal qual faz o barulho 
de garfo roçando 
em prato de porcelana 
com os ouvidos.
Tanto de movimento de pernas, 
olhos e pulsos
que tiram a vida de si, 
que só jogam o corpo na atmosfera,
porque afinal é preciso existir 
pra tentar sê-lo,só não sei o que.
A esperança é a única idéia 
de um futuro que não se apaga
mesmo de olhos fechados, 
cabeça vazia e coração dolorido.
Os olhos não precisam 
saltar das órbitas 
pra desencontrar de si mesmo,
basta entrar numa busca eterna 
pelo que não é seu mas devia,
ao menos parece que devia,
ao menos queria que fosse, 
quer que seja, será.
Quando os pés andam sós, 
se alimentam do vácuo
que passa nos instantes 
que eles se movimentam
zanzando no chão de terra, 
cimento, lama, asfalto
buscando por si 
aonde não se sabe onde quer achar.

Assim eu não me vejo. 
Assim eu não te vejo.
Parece a cegueira eterna 
de esticar os braços ao infinito.


E o infinito sou eu.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Onde se encontra a graça.



Na vida
danço como quem perdeu
vários ensaios.

Não tenho pressa em ir devagar
mas também não me dou conta do prazer da dança.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Diário de receitas



Regue suas plantas, molhe seus pés, corte suas folhas mortas, siga a luz do sol, aceite o tempo de brotar e o movimento dos bichos, adube seus silêncios para que, dessa forma, serenamente, recomece todo o ciclo.

domingo, 26 de abril de 2015

Preguiça distraída




Nos dias
em que a gente não tem
energia elétrica externa
mas a de dentro aparece
pra empurrar
os domingos pra frente.

Pra assobiar
a preguiça distraída
que aparece nas fotografias,
pra registrar
qualquer coisa assim à toa
qualquer canto assim bem tímido.

Pois então
nesses domingos
que eu penduro
o meu cansaço
finjo que sou de aço
e sopro os dias pro alto
com outros ares
que vêm do pulmão.


Em 15/06/13

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Bom dia.

Hoje sempre pode simbolizar
finis ou gênesis do teu mundo
à parte isso
segura num ímpeto
o segundo
que corre
enquanto escolhe.