sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Conveniência.



Não me compreenda
que eu juro que
não faço o mesmo.
Nós somos
eu
e mais algum
vazio.
Minha casa chama-se
silêncio,
mas é
¾ coberta de
loucura.

Nous aurons pour nous l'éternité
Dans le bleu de toute l'immensité
Dans le ciel plus de problèmes
Mon amour crois-tu qu'on s'aime?
De G.M

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Falta.



É incessante a minha necessidade por entre as linhas,
chegando a ser visceral.
Por isso procuro desde já escrever-te,
de um modo particular nosso,
antecipando a saudade de certa forma.
E dizer-te que me agrada deixar o tempo correr manso,
fechar os olhos pra não te ver sair na direção contrária.
Esfregar-te em mim pra que
até mesmo os cheiros permaneçam,
pra não ter o desprazer de um dia cair no esquecimento.
Por que eu sei bem o que é antecipar a saudade.
Se o sorriso nesse meu rosto 'insosso' te faz bem á beça
darei um 'nó',amarrando de um canto a outro
cuidando pra não cair de modo algum.
Tratarei de atar amanhã mesmo minhas mãos nas tuas,
por um tempo indeterminado,que nem relógio conte.
Escreverei cada vez mais,
transcrevendo linhas finas por entre nós...
E não me fale nunca da distância,prefiro ouvir da saudade
das cores que costumo inventar pra cada dia nosso,
pra cada gesto,choro,birra,risos.
Quero estar em par sempre.
Andar sempre no mesmo ritmo.
E se o problema estiver em mim,alguma destas vezes
peço que repare,me molde,
me refaça, ou me ame,apenas
Pois eu costumo deixar meu bem.
Quero acostumar desde já a sentir o teu pulsar no meu
pra nunca mais deixar sair.
Porque eu não costumo falar destas coisas,
Costumo escrever,me desculpe.
Posso treinar se desejar?
Queria escrever de modo concreto, o que me causa
e o que sempre me causou te ter por perto...
É antecipando essa falta, antecipando teus gestos
que eu posso descrever melhor essas vontades constantes de ti.
Dizer-te que na minha memória tão congestionada
e no meu coração tão cheio de marcas e poços,
ocupas o lugar mais bonito.
Não vou embora de ti se não fores de mim,
e quantas vezes já fostes e eu permaneci aqui não é?
Só peço a nossa guia, o teu amor,
cuidados,abraço,companhia.
Quero desde já eternizar-nos meu bem,
pois não se tem todo o tempo do mundo,e disso sabemos.
Então ficarei por aqui, do lado de cá,antecipando essa falta
esperando o nosso Dezembro passar.
Te escrevendo linhas mil, segurando o nó do meu sorriso
desfarçando a ansiedade enquanto te espero chegar.

domingo, 13 de dezembro de 2009

Quase meio Dia no Lado Escuro.





Nunca viram ninguém triste? Por que não me deixam em paz?

As guerras são tão tristes e não tem nada demais...

Deixem-me.

Sou um bicho acuado por um inimigo imaginário correndo atrás dos carros como um cachorro otário.
Me deixem. Sou um ataque equivocado por um falso alarme.

Quebrando objetos inúteis como quem leva uma topada.
Não escondam suas crianças, não. Nem chamem o síndico

Não chamem a polícia, nem chamem o hospício.

Eu não posso causar mal nenhum a não ser a mim mesma, a não ser a mim...

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Viagem





Nada segue o plano.
Quando falaram que eu ia para o país das maravilhas,acreditei.
Pensei que não iria me adaptar, mas agora...
nem ligo de estar preso nesse mundo.

Onde eu surfe no sol quando está nascendo.
Onde a gravidade me leva.
Onde as pessoas não se importem com as diferenças.
Onde tenho liberdade de expressão.
Onde eu possa dançar na via láctea
Onde onde dias são curtos e as noites longas

E ter em mente que a única coisa que é difícil de se adaptar desse mundo
é com as criaturinha coloridas mas depois, se tira de letra tudo (rs).


*foi uma viagem bem deliciosa, mas já esta na hora de acordar ;)

sábado, 28 de novembro de 2009

E eu? Concordo plenamente!

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)


O seu santo nome.

Não facilite com a palavra amor.
Não a jogue no espaço, bolha de sabão.
Não se inebrie com o seu engalanado som.
Não a empregue sem razão acima de toda a razão ( e é raro).
Não brinque, não experimente, não cometa a loucura sem remissão
de espalhar aos quatro ventos do mundo essa palavra
que é toda sigilo e nudez, perfeição e exílio na Terra.
Não a pronuncie.

Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 24 de novembro de 2009

For Sale.











Rifa-se um coração quase novo.
Um coração idealista. Um coração como poucos.
Rifa-se um coração que, na realidade, está um pouco usado, meio calejado,
muito machucado e que teima em alimentar sonhos e cultivar ilusões.
Um coração inconseqüente e precipitado,
que não se rende assim,diante de um sorriso mais malicioso.
Rifa-se um coração que nunca aprende.
Um coração insensato que comanda o racional sendo louco o suficiente para se apaixonar.
Um furioso suicida que vive procurando relações e emoções verdadeiras.
Rifa-se um coração que insiste em cometer sempre os mesmos erros.
Esse coração que erra, briga, se expõe. Perde o juízo por completo em nome de paixões.
Sai do sério e, às vezes, revê suas posições arrependido de palavras e gestos.
Rifa-se um coração tão inocente que se mostra sem armaduras e deixa louco o seu usuário. Rifa-se um coração, ou mesmo troca-se por outro, que tenha um pouco mais de juízo...

Obrigada pelo que tens feito .
Por G.M*

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Nostálgica.





















“Eu sou a luz das estrelas
Eu sou a cor do luar

Eu sou as coisas da vida

Eu sou o medo de amar
...

Eu sou o medo do fraco

A força da imaginação
O blefe do jogador

Eu sou, eu fui, eu vou"

(Raul seixas)


Mas o passado que lhe foi mais presente ,passou

O Presente que não existia ,

Agora vive...

Ela so quer saber dele , e esquecer aquilo que já foi.

Ela optou por ser amada

Por fazer exercício

Por brincar , por se sentir bem e principalmente feliz.


Ela é o inicio o fim e o meio de uma bela historia.

A que inventa todos os dias'

sábado, 7 de novembro de 2009

Lhe ocorreu.





Obs.:É tão estranho Tentar entender a estranha.



É apenas o ponto de vista dela .
Nada além dela mesma, e as observações de um dia incomum.*

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Seria exclamativa,não?


Inquieta no jardim


rolando de um lado para outro na grama


ela optou por esperar a boa vontade do sono chegar.


( nada como dormir na grama com um fim de tarde daqueles)




Entre o sonho e a insônia


ela resolveu reorganizar os pensamentos


Fez um interrogátorio minucioso.





Que importava?


Que queria?


Como seria ?



E se seria?


Silenciosa e observadora

deixou que as interrogações fossem embora


Hesitou em responder...


Mas o sono veio primeiro.


Deixando-a no seu melhor estilo Woody*




domingo, 1 de novembro de 2009

Citação à parte.



"A música bate-estaca soa na mesma batida que meu coraçao.

Posso sentir dentro do meu peito - tum tum.

É dificil enxergar à minha volta com tantos corpos se contorcendo,

ainda mais com as luzes bruxuleantes do salão, que criam uma atmosfera um tanto hostil."

E foi assim que ela traduziu aquela noite,

e nesta mesma noite ela desejou ter o poder de ler mentes.

Para saber o que uma 'única pessoa' pensava
o que sentia naquele momento.

Mas como seu desejo não foi atendido,
(Teve que se contentar com olhares fugazes)

Ela fez o de praxe
(Se divertiu com seus amigos)

Achou quase um absurdo*

sábado, 31 de outubro de 2009

O resto é o resto.

Queria apenas uma história
que a descrevesse .
Nem que fosse apenas para
ter 'aparições de relance'.

Em que pudesse se perder e se achar
em hora exata,
queria algo certo.
Queria saber como é olhar de fora.

Querer saber de forma clara
o que se passa na parte dela
e na dos outros.
Queria corrigir o incerto,
por não ser adepta a erros constantes
Por não querer mais sentir-se perdida
em meio à indecisões rotineiras.

E como já era de costume
A indecisão veio pela manhã
Leva-la para passear.
Pra perguntar dos dias,
das horas.

(Como vai?)

De perguntas simples,
sem muitas palavras
elas sempre vem.
Indaga-la
Dizer um monte de asneiras
Deixa-la ao 'modo da casa'
(confusa)

Elas a deixam à vontade
insistem
Não tem rodeios
Nem ,mais detalhes.

O resto é conversa.





sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Acima.


Hoje acordaram seu lado mais 'doce'
em um dia pra lá de 'nostálgico'...
Parando por entre carros e sinais.
Olhando mais para o lado de cima,
do que para 'lados e abaixos'.

Foi sem tino
Sem aviso prévio
de quando iria voltar ao normal.

Então aproveitou ao lado de amigos,
cafés,recortes,
seus marshmallows
conversas e afins .

Retirando as impurezas' da mente
que diga-se de passagem,
já não tem.
Muda,reescreve-se

Reiniciou-se esta manhã(inclusive)

Não é uma delícia?*


quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Vai pensando que cansa...

Ela tem vontades mil,
nem sabe ao certo o que quer.
Pensa que chega a cansar.
(e não seria normal?)


Afinal ela sabe onde pisa,
planeja,remonta,sente.

Mais um dia que ela cansa.
e no final do dia a única coisa que quer
é não pensar.

O 'futuro' é conversa...
Ela deixa fluir.
E em como ele vai ser ?
(Nem sabe)